Email







Choose Note

Instructions :



No final, e após termos tentado arduamente e por tempo suficiente, descobrimos que o nó do eu não pode ser rompido. É então que temos que recorrer à graça e deixá-la trabalhar em nós, não fazendo nada além de dar nosso consentimento e aceitar seus métodos.
Source: The Notebooks of Paul Brunton
• Ouvir





Your friends Email:
Your Email:

The notebooks are copyright © 1984-1989 The Paul Brunton Philosophic Foundation

This site is run by Paul Brunton-stiftelsen · info@paulbruntondailynote.se