A necessidade de um sentido

Que sou Eu?

Que é um ser humano? Que sou Eu?

A seleção de Pensamentos da Biblioteca que se segue lida com nossa identidade real. Leia mais sobre isso nos Notebooks, especialmente no volume 14, categoria 22:3.

Clique nas ilustrações tanto para ver um texto, quanto quando escondê-lo.

14.22.3.329
6.8.2.1
6.8.1.1
14.22.3.37
6.8.1.46
14.22.3.23
14.22.3.304
15.23.6.177
14.22.3.183
14.22.3.129


O que é um vislumbre?

Muitas pessoas se lembram de experiências incomuns quando de repente e sem advertência foram elevadas afora a existência comum de seus egos para dentro de uma consciência nova e elevada, plena de terno amor e harmonia.

A experiência de um vislumbre é inesquecível. Numa descrição pode dar-lhe justiça plena. Mas o vislumbre confirma a existência de uma consciência mais elevada, que está em nós – e que somos essa consciência!

Os pensamentos seguintes, selecionados da Biblioteca, lidam com vislumbres da consciência mais elevada. Leia mais sobre isso nos Notebooks, especialmente no volume 14, categoria 22:4-8.

14.22.1.29
14.22.6.83
14.22.6.381
14.22.6.369
14.22.6.315
14.22.6.363
14.22.4.3
14.22.7.4
14.22.7.244
14.22.7.225


Existe um significado mais elevado?

Todos nós temos prioridades diferentes. Cuidar daqueles próximos a nós de forma sábia e amorosa e ter um trabalho significativo dá grande satisfação. Perder-se em empreendimentos criativos é libertador para muitas pessoas.

Família, trabalho, amigos e atividades nas horas de lazer preenchem nossos dias. Isso pode trazer conteúdo e sentido por muitos anos.

Mas quando envelhecemos – se não antes – podemos perceber que algo importante está faltando.

Uma pergunta pode estar surgindo diante de nossa consciência: Existe um significado maior para o ser humano? Existe uma outra finalidade, compartilhada por todos os seres humanos, para a nossa vida na terra?

A seleção seguinte da Biblioteca lida com o significado da vida. Veja os Notebooks, especialmente o volume 16, categoria 26:4.

16.26.4.266
16.26.4.253
16.26.4.255
16.26.4.181
14.22.7.130
15.23.1.36
15.23.2.147
16.26.4.94
15.23.1.6
16.26.4.170


O Caminho Breve

Dr. Paul Brunton introduz dois conceitos: O Caminho Longo e o Caminho Breve. O Caminho Longo foca o ego, e o Caminho Breve, o Eu Superior. Esta é a principal diferença entre os dois.

A Busca começa no Caminho Longo. O Caminho Breve vem depois. Com o tempo, caminhamos em ambos simultaneamente até que a meta – de estar completamente consciente de sermos o que inconscientemente já somos – seja atingida.

Os Pensamentos seguintes da Biblioteca lidam com o Caminho Longo e o Caminho Breve. Mais sobre isso pode ser lido nos Notebooks, especialmente no volume 15, categoria 23:5.

15.23.5.41
15.23.5.40
15.23.5.19
15.23.5.6
15.23.5.2
15.23.5.2
15.23.6.118
15.23.5.2
14.22.3.51
15.23.5.206

The notebooks are copyright © 1984-1989 The Paul Brunton Philosophic Foundation

This site is run by Paul Brunton-stiftelsen · info@paulbruntondailynote.se